terça-feira, 19 de maio de 2015

DEZ HÁBITOS DE LIDERANÇA QUE DEVEM SER ABANDONADOS E DEZ QUE DEVEM SER ADOTADOS

Pequenas atitudes do dia a dia da liderança mantêm a gestão com um pé no passado. O colunista da "Inc." Paul Spiegelman, fundador e CEO da BerylHealth, empresa que faz gestão de comunicação entre hospitais e pacientes, listou dez práticas que você deve abandonar na gestão de pessoas – e dez que você pode adotar no lugar. Confira.

1. A microgestão ou a necessidade de controlar cada pequeno aspecto da sua empresa.
Adote: o empoderamento, a habilidade de dar às pessoas autonomia, mesmo que elas cometam alguns erros.

2. A gestão ao andar pelo escritório; ela não é mais o suficiente para que você seja visível.
Adote: a gestão ao observar e ouvir, criando conversas e implementando as ideias que os colaboradores apresentam – e, claro, distribuindo os resultados.

3. O hábito de fingir que você sabe tudo – é claro que você não tem todas as respostas.
Adote: o conhecimento sobre os membros do seu time e a confiança neles. Escolha as pessoas que têm as competências certas e compartilham da cultura da sua empresa.

4. A política de tolerância zero com erros.
Adote: o aprendizado com os erros – ou mesmo o hábito de ser o primeiro a admitir um erro.

5. A condução do negócio pelo lucro.
Adote: a condução do negócio pelas pessoas, aumentando a fidelidade do cliente e os lucros.

6. A escolha de pessoas que sobrevivem na empresa porque fazem o que é necessário.
Adote: a escolha de pessoas que vão além. Elas existem.

7. O investimento em tecnologia para aumentar a produtividade. Adote: o investimento nas pessoas.

8. A exigência de mudanças, do jeito que você quer e quando você quer.
Adote: o fomento de mudanças, de modo que a equipe possa desenvolver as melhores ideias para chegar lá.

9. Comida pouco saudável no restaurante da empresa.
Adote: bem-estar no ambiente de trabalho, siga a alimentação que possibilite melhores resultados a sua saúde.

10. Incentivos com dinheiro.
Adote: recompensas. A valorização significa mais do que o dinheiro para o professional.
Fonte: http://revistapegn.globo.com/Dia-a-dia/noticia/2015/02/10-praticas-de-lideranca-que-voce-deve-abandonar-hoje.html

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

PROFISSÕES EM ALTA EM 2015

David Foote, analista e líder de uma consultoria que leva seu sobrenome, preparou um questionário e coletou informações junto a 734 profissionais. Abaixo, ele lista as áreas mais valorizadas para 2015.  
1. Nuvem –
Aos poucos, o modelo passa a uma posição de protagonista dentro das organizações, com algumas consultorias indicando que cloud já faz parte da rotina de 90% dos departamentos de TI mundo afora.
“As empresas descobriram, de fato, a computação em nuvem há cerca de quatro anos e o contexto tem sido volátil desde então. Agora: as companhias vão continuar a investir em cloud? A resposta é ‘sim’”, enfatiza Foote, reforçando que trata-se de uma área que puxará a contratação de pessoas que tenham talento e habilidade nesse quesito.

2. Arquitetura –
À medida que novos conceitos avançam as companhias passam a se preocupar mais em criar uma arquitetura eficiente que permita adicionar valor e velocidade a operações. “Sabemos que muitas empresas estão transformando suas estruturas e arquiteturas tecnológicas de maneira intensa. Nesse caso, tem contratado muitos arquitetos para os processos de reestruturação de negócios e isso é algo que não pode ser ignorado”, direciona o especialista.

3. Big data –
Extrair inteligência de grandes volumes de dados é atrativo às organizações por diversos motivos. Com o amadurecimento e solidificação do conceito, a habilidade em big data retoma importância para as companhias, acredita Foote, que espera crescimento significativo na contratação/valorização de profissionais com esse perfil em 2015. Logo, adicionar conhecimentos nessa frente ao seu currículo, muito provavelmente, fará de você um profissional mais valorizado.

4. Design de aplicação – A demanda toca profissionais com habilidade de criarem sistemas tanto para dispositivos móveis quanto para computadores “tradicionais”. Para não ficar em um discurso muito vago, Foote sugere duas frentes para direcionar o foco: JavaFX e interface/experiência dos usuários. As organizações tendem a alavancarem suas estratégias digitais no futuro, o que demandará pessoas com conhecimento em design.

5. Segurança – Os acontecimentos de 2014 ligaram sinais de alerta nas empresas para o próximo ano. A lista de companhias atacadas por cibercriminosos traz nomes como Sony, eBay e Target. “Segurança é uma habilidade em ascensão”, comenta o especialista, prevendo que o tema chegará ao mainstream ainda em 2015.

6. Gestão, processo e metodologia –
Saber elementos de gestão de projetos figura como um elemento fundamental nas tarefas de TI. O especialista avalia que essa continuará sendo uma habilidade valorizada no próximo ano. O mesmo vale para o conhecimento de algumas metodologias que ajudem a garantir entregas e melhorias nas operações de tecnologia.

Fonte: Da Redação, com IDG News Service

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

DICA PARA QUEM USA WHATSSAPP

Evitando que outras pessoas saibam se você leu uma mensagem ou não. Essa dica com certeza vai reduzir a possibilidade de constrangimento para aquelas pessoas que leram alguma informação e simplesmente ignoraram ou deixaram de responder.

Windows Phone e Android

As configurações são praticamente iguais. O primeiro passo é, na janela principal do app, encontrar o ícone com "três pontos" — aquele botão que abre as configurações do mensageiro, em seguida, no menu que saltar na tela, toque em "Configurações".

Clique em "Informações da Conta" (Android) ou "Conta" (Windows Phone) e selecione o item "Privacidade". Aqui, estão várias configurações relativas ao envio e recebimento de mensagens, assim como a lista de contatos bloqueados.

Acesse a opção "Visto por último". Toque na caixa de seleção e altere a resposta de "Todos" para "Ninguém".

Agora é só "reiniciar" o WhatsApp para que a alteração seja devidamente aplicada.


terça-feira, 1 de julho de 2014

Dez características de um bom líder

Dez pontos importantes a serem observados, para que você se torne um bom líder, sem se preocupar com a centralização, segundo os profissionais de coaching.
1- Seja transparente. Deixe muito claro os valores, a missão e a estratégia da empresa.
2 - Observe sua equipe.
 Conheça cada uma das pessoas que trabalham com você, a personalidade, os pontos fortes e fracos.
3 - Baixe o nível de ansiedade. Ao delegar funções, é possível que você esteja pedindo algo novo para alguém. Entenda a possibilidade de o profissional precisar de algum tempo para se organizar e começar a produzir.
4 - Confie no seu time
. Você escolheu as pessoas que se reportam a você? Elas estão há algum tempo na sua equipe? Então porque não confiar na capacidade de discernimento delas? Demonstre confiança.
5 – Sempre dê feedbacks. Essa é uma ferramenta fundamental para a evolução de sua equipe. Aponte os pontos positivos e negativos, mas o faça como estímulo para que as pessoas busquem aperfeiçoamento. Se for o caso, estabeleça uma parceria com o RH para cursos e palestras.
6 - Entenda que esse não será um desafio só para você, mas para todas as pessoas da equipe. E, talvez, elas não tenham sido preparadas para isso antes.

7 - Não espere que os outros façam as coisas exatamente como você
. Entenda que cada um se organiza de uma forma diferente e o seu modelo não é o ideal, é só o seu jeito.
8 – Saiba que erros serão cometidos. Aceite que eles ocorrerão da mesma forma que aconteceriam se você fosse o responsável pelas funções. Quando toda a equipe, porém, aprende com os erros, a probabilidade de voltarem a acontecer é menor.
9 - Não esconda informações e mostre-se disponível. Isto é fundamental para que o time sinta-se confiante em partilhar dúvidas e informações quando achar importante.

10 - Acompanhe os passos dos projetos.
 Estabeleça a necessidade de relatórios no início do processo. Trabalhe com cronogramas, prazos e metas para não deixar ninguém perdido.


terça-feira, 1 de abril de 2014

BYOA e seus benefícios

Bring Your Own Application (BYOA) é uma nova tendência que está ganhando força na computação empresarial, levada por um novo modelo de aplicativos que estão ditando o futuro. 
Alguns dos principais benefícios do BYOA são:
1·   Disponibilidade de diversas funcionalidades a um custo muito baixo. 
2·   A empresa pode substituir licenças de software de custo maior por aplicativos mais baratos. 
3·   A constante inovação no mundo do consumo pode trazer ideias importantes para transformar o negócio. 
4·   Maior produtividade, já que os funcionários podem realizar seu trabalho com o aplicativo de sua escolha. 
5·  Redução do tempo de treinamento por funcionário, permitindo que os colaboradores se sintam mais envolvidos.
Por outro lado, se o BYOA for utilizado sem as políticas e ferramentas apropriadas, pode resultar em alguns aspectos menos positivos para as empresas:
· Os dados podem ser armazenados em dispositivos móveis ou em uma nuvem de um provedor externo, oferecendo menor controle aos departamentos de TI e representando uma ameaça potencial à empresa.
· A existência de várias versões do mesmo aplicativo através de múltiplos sistemas operacionais pode complicar as tarefas de gerenciamento por parte do departamento de TI.
· O uso de aplicativos de consumo significa que o provedor não poderá garantir sua viabilidade e evolução no longo prazo.
Atualmente, a inovação é impulsionada pelos clientes e funcionários. São eles que exigem aplicativos que os ajudem a ser mais produtivos do que o software prescrito e os processos oferecidos pelo departamento interno de TI. Já parece estar claro que os aplicativos baseados em nuvem estão dando início a uma nova cultura em muitas empresas.
Alguns fatores estão impulsionando a rápida adoção pelas empresas. Entre eles estão:
· App Stores para celulares - O centro de atendimento à comunidade de programadores está mudando com a criação de aplicativos de consumo para dispositivos móveis, graças à revolução dos smartphones e tablets. Os usuários estão a apenas um passo de escolher um aplicativo que satisfaça suas necessidades dentre os milhares de aplicativos gratuitos e por preços inimaginavelmente baixos, disponíveis nas App Stores para celulares.
· Aplicativos de consumo baseados em nuvem - Os funcionários estão dispostos a contornar as restrições impostas pelos departamentos de TI em virtude dos benefícios, economia de custos, escalabilidade e disponibilidade que os aplicativos oferecem em qualquer lugar e a qualquer hora.
· Mídia Social - Tornou-se parte integrante de nossas vidas e será quase impossível mantê-la fora do ambiente corporativo por muito tempo. Os funcionários que estão em contato com o público sabem que os clientes gostam de estar conectados através das mídias e por isso estão dispostos a utilizar os aplicativos das mídias sociais apesar da oposição e falta de apoio dos departamentos de TI.
Ainda que a tendência BYOA se mantenha em uma etapa inicial, os benefícios do BYOA são mais acentuados dos que os introduzidos pelo Bring Your Own Device (BYOD).
Adotar o BYOA acarreta riscos óbvios, mas é necessário mencionar que os benefícios superam os riscos, gerando uma forte justificativa de negócio para sua adoção. 

Fonte: CIO
Helcio Beninatto