segunda-feira, 20 de outubro de 2014

DICA PARA QUEM USA WHATSSAPP

Evitando que outras pessoas saibam se você leu uma mensagem ou não. Essa dica com certeza vai reduzir a possibilidade de constrangimento para aquelas pessoas que leram alguma informação e simplesmente ignoraram ou deixaram de responder.

Windows Phone e Android

As configurações são praticamente iguais. O primeiro passo é, na janela principal do app, encontrar o ícone com "três pontos" — aquele botão que abre as configurações do mensageiro, em seguida, no menu que saltar na tela, toque em "Configurações".

Clique em "Informações da Conta" (Android) ou "Conta" (Windows Phone) e selecione o item "Privacidade". Aqui, estão várias configurações relativas ao envio e recebimento de mensagens, assim como a lista de contatos bloqueados.

Acesse a opção "Visto por último". Toque na caixa de seleção e altere a resposta de "Todos" para "Ninguém".

Agora é só "reiniciar" o WhatsApp para que a alteração seja devidamente aplicada.


terça-feira, 1 de julho de 2014

Dez características de um bom líder

Dez pontos importantes a serem observados, para que você se torne um bom líder, sem se preocupar com a centralização, segundo os profissionais de coaching.
1- Seja transparente. Deixe muito claro os valores, a missão e a estratégia da empresa.
2 - Observe sua equipe.
 Conheça cada uma das pessoas que trabalham com você, a personalidade, os pontos fortes e fracos.
3 - Baixe o nível de ansiedade. Ao delegar funções, é possível que você esteja pedindo algo novo para alguém. Entenda a possibilidade de o profissional precisar de algum tempo para se organizar e começar a produzir.
4 - Confie no seu time
. Você escolheu as pessoas que se reportam a você? Elas estão há algum tempo na sua equipe? Então porque não confiar na capacidade de discernimento delas? Demonstre confiança.
5 – Sempre dê feedbacks. Essa é uma ferramenta fundamental para a evolução de sua equipe. Aponte os pontos positivos e negativos, mas o faça como estímulo para que as pessoas busquem aperfeiçoamento. Se for o caso, estabeleça uma parceria com o RH para cursos e palestras.
6 - Entenda que esse não será um desafio só para você, mas para todas as pessoas da equipe. E, talvez, elas não tenham sido preparadas para isso antes.

7 - Não espere que os outros façam as coisas exatamente como você
. Entenda que cada um se organiza de uma forma diferente e o seu modelo não é o ideal, é só o seu jeito.
8 – Saiba que erros serão cometidos. Aceite que eles ocorrerão da mesma forma que aconteceriam se você fosse o responsável pelas funções. Quando toda a equipe, porém, aprende com os erros, a probabilidade de voltarem a acontecer é menor.
9 - Não esconda informações e mostre-se disponível. Isto é fundamental para que o time sinta-se confiante em partilhar dúvidas e informações quando achar importante.

10 - Acompanhe os passos dos projetos.
 Estabeleça a necessidade de relatórios no início do processo. Trabalhe com cronogramas, prazos e metas para não deixar ninguém perdido.


terça-feira, 1 de abril de 2014

BYOA e seus benefícios

Bring Your Own Application (BYOA) é uma nova tendência que está ganhando força na computação empresarial, levada por um novo modelo de aplicativos que estão ditando o futuro. 
Alguns dos principais benefícios do BYOA são:
1·   Disponibilidade de diversas funcionalidades a um custo muito baixo. 
2·   A empresa pode substituir licenças de software de custo maior por aplicativos mais baratos. 
3·   A constante inovação no mundo do consumo pode trazer ideias importantes para transformar o negócio. 
4·   Maior produtividade, já que os funcionários podem realizar seu trabalho com o aplicativo de sua escolha. 
5·  Redução do tempo de treinamento por funcionário, permitindo que os colaboradores se sintam mais envolvidos.
Por outro lado, se o BYOA for utilizado sem as políticas e ferramentas apropriadas, pode resultar em alguns aspectos menos positivos para as empresas:
· Os dados podem ser armazenados em dispositivos móveis ou em uma nuvem de um provedor externo, oferecendo menor controle aos departamentos de TI e representando uma ameaça potencial à empresa.
· A existência de várias versões do mesmo aplicativo através de múltiplos sistemas operacionais pode complicar as tarefas de gerenciamento por parte do departamento de TI.
· O uso de aplicativos de consumo significa que o provedor não poderá garantir sua viabilidade e evolução no longo prazo.
Atualmente, a inovação é impulsionada pelos clientes e funcionários. São eles que exigem aplicativos que os ajudem a ser mais produtivos do que o software prescrito e os processos oferecidos pelo departamento interno de TI. Já parece estar claro que os aplicativos baseados em nuvem estão dando início a uma nova cultura em muitas empresas.
Alguns fatores estão impulsionando a rápida adoção pelas empresas. Entre eles estão:
· App Stores para celulares - O centro de atendimento à comunidade de programadores está mudando com a criação de aplicativos de consumo para dispositivos móveis, graças à revolução dos smartphones e tablets. Os usuários estão a apenas um passo de escolher um aplicativo que satisfaça suas necessidades dentre os milhares de aplicativos gratuitos e por preços inimaginavelmente baixos, disponíveis nas App Stores para celulares.
· Aplicativos de consumo baseados em nuvem - Os funcionários estão dispostos a contornar as restrições impostas pelos departamentos de TI em virtude dos benefícios, economia de custos, escalabilidade e disponibilidade que os aplicativos oferecem em qualquer lugar e a qualquer hora.
· Mídia Social - Tornou-se parte integrante de nossas vidas e será quase impossível mantê-la fora do ambiente corporativo por muito tempo. Os funcionários que estão em contato com o público sabem que os clientes gostam de estar conectados através das mídias e por isso estão dispostos a utilizar os aplicativos das mídias sociais apesar da oposição e falta de apoio dos departamentos de TI.
Ainda que a tendência BYOA se mantenha em uma etapa inicial, os benefícios do BYOA são mais acentuados dos que os introduzidos pelo Bring Your Own Device (BYOD).
Adotar o BYOA acarreta riscos óbvios, mas é necessário mencionar que os benefícios superam os riscos, gerando uma forte justificativa de negócio para sua adoção. 

Fonte: CIO
Helcio Beninatto 

segunda-feira, 17 de março de 2014

PCmover - Migração do Windows XP para versões posteriores

Já temos data da finalização de suporte ao Windows XP, o próximo dia 08/04/2014 e muitas empresas e usuários domésticos ainda estão utilizando o sistema da microsoft. O que fazer para migrar do XP para versões atuais do Windows? Pensando nisso, resolvemos dar algumas dicas.
Em uma parceria com a Laplink, a Microsoft criou o PCmover Express para Windows XP que copia os arquivos e os ajustes do computador atual para um que rode Windows 7, Windows 8 ou ainda Windows 8.1. De acordo com post no blog da Microsoft, a ferramenta copia arquivos, músicas, vídeos, e-mails, perfis de usuários e ajustes de seu PC antigo, transferindo os dados pela rede. Além disso, ela permite que os usuários de Windows XP escolham o que desejam levar para o novo dispositivo.
Inicialmente, o PCmover Express estará disponível para download em inglês por meio do site WindowsXP.com. Ao longo de março, o aplicativo estará disponível em francês, alemão, italiano, japonês, espanhol, coreano, chinês, russo e português. Aqueles usuários que não quiserem esperar poderão baixar a ferramenta da Laplink na Central de Downloads Microsoft. Para os usuários que desejarem transferir aplicações de seu computador antigo, a Laplink também oferece o PCmover Professional, mas que é pago.
Aqueles usuários que não tiverem certeza sobre qual versão do Windows usam podem ir ao site AmIRunningXP.com. Esse site mostra de forma automática se um PC executa o Windows XP ou se opera com uma versão mais nova, como Windows 7, Windows 8 ou Windows 8.1. Ao detectar o Windows XP, o site exibe instruções de como fazer a atualização antes da data limite do fim do suporte.

Claro, os usuários não devem se limitar a esse tipo de migração. Podem também fazer um backup de todas as ferramentas utilizadas na sua máquina e preparar o novo ambiente a partir de uma formatação e instalação do novo sistema operacional e aplicativos. Quando falamos de novo sistema operacional, lembramos também que existem outras opções no mercado que cresceram muito e estão mais amigáveis para o usuário final. A certeza que temos nesse momento, é que deve ser destinado um bom período de tempo para o planejamento e execução da migração.

Fonte: tecnologia.ig.com.br
Matt Scuffham e David Henry.

PROFISSIONAIS - COMO GERENCIÁ-LOS?

Como tratar no seu dia-a-dia cada tipo de profissional, cada colaborador? Essa pergunta está presente na cabeça de muitos gestores. Não somente, naqueles que estão começando uma carreira de gestão, mas também na cabeça de muitos gestores experientes que ainda hoje encontram dificuldade para lidar com certos tipos de colaboradores. Nesse artigo, Sandra Betti, faz uma excelente exposição dos quatro tipos possíveis de colaboradores existentes e como tratar cada um deles.

Napoleão foi um dos líderes mais estratégicos da História, que defendia o conceito de meritocracia e que teria proposto um modelo que classificava seus soldados em quatro tipos:

1 · Inteligentes com iniciativa (que ele dava as funções de comandantes gerais e estrategistas)
2 · Inteligentes sem iniciativa (os deixava como oficiais para receberem ordens superiores)
3 · Ignorantes sem iniciativa (os colocava na frente da batalha)
4 · Ignorantes com iniciativa (não os queria em seus exércitos!)
George Odiorne, dois séculos depois, trouxe a matriz que combinava Potencial (inteligência e condições de encarreiramento vertical na empresa) e Desempenho (competência e comprometimento).
Para ilustrar os quatro tipos possíveis nesta matriz, na década de 90 eu mesma propus uma analogia com 4 aves:
1 · Águia: Alto Potencial e Alto Desempenho, ou seja, inteligentes e trabalhadores: são aqueles que aprendem com facilidade, são motivados, trazem ótimos resultados e demonstram consistentemente elevado grau de comprometimento. Resumo: Quociente Intelectual (QI) e Quociente Emocional (QE) altos.
Como gerenciá-los? Da forma mais diferenciada possível: dando autonomia, espaço, desafios, promoções e reconhecimento.
2 · Galinha dos Ovos de Ouro: Trabalhadores, mas apenas medianamente inteligentes. São competentes e comprometidos, mas teriam muita dificuldade para assumir no curto prazo cargos mais complexos e de maior envergadura (“bateram a cabeça no teto”). Resumo: QI alto e QE baixo ou o inverso.
Como gerenciá-los? Dando reconhecimento, desafios proporcionais, enriquecendo seus cargos, propondo carreira em Y e estimulando-os para que invistam no seu autodesenvolvimento e aumentem seu potencial no médio e longo prazo.
3 · Pavões: Inteligentes, mas que ficam na “zona de conforto, demonstrando comprometimento, performance e motivação instáveis. Resumo: QI alto e QE mediano.
Como gerenciá-los? Tentar reverter o quadro com urgência, fazendo coaching, dando feedbacks e negociando planos de ação agressivos e eficazes. Se funcionar ótimo, senão repensar a decisão de mantê-los na empresa (o prazo que as empresas costumam dar é o de 90 dias).
4 · Avestruzes: Limitados e Incompetentes. Resumo: QI e QE baixos.
Como gerenciá-los? Tentar reverter o quadro com MAIS urgência ainda, fazendo coaching, dando feedbacks e negociando planos de ação. Se der certo muito bem, senão “recolocá-los no concorrente”...
Esta tipologia é interessante para nos dar parâmetros de reflexão sobre nossos times e sobre nós mesmos, quem somos e quem poderíamos vir a ser. Em síntese, um instrumento para aprimorar diagnósticos, desenhar planos de ação e tomar decisões mais pragmáticas e sensatas quanto à gestão de pessoas.

Fonte: CIO.com.br
Sandra Betti - sócia-diretora da consultoria MBA Empresarial